Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

25
Jan 07
Um trabalho de análise denominado “Media industry facing biggest repheaval since Gutemberg” diz que a influencia da digitalização ainda vai demorar a fazer-se sentir na TV e a expulsar a publicidade dos canais. Ainda assim, segundo este estudo da autoria do Deutsche Bank Research
avisa que a indústria televisiva vai a médio prazo mudar o conceito dos blocos tradicionais de publicidade nos intervalos dos programas, num proceso que pode significar o fim irreversível da televisão tal como a conhecemos, já que se encaminha para um modelo personalizado, on-demand, onde não há prime-time. As empresas de televisão começam a adaptar-se à mudança recorrendo a formas alternativas de publicidade como as divisões no ecrã para anúncios em simultâneo, ou ainda, os rodapés, o “brand entertainment” (publicidade integrada em programas”) e o product placement”. Estas mudanças são também aconselhadas pela perda de audiências e de verbas na publicidade
devido ao crescimento da internet.

Até 2010 é esperado um crescimento do mercado publicitário mundial a uma taxa anual de 6,2%. Apesar de se prever um abrandamento, os Estados Unidos continuará a ser o maior mercado publicitário. O mercado da Região da Ásia e Pacífico é aquele que continua a mostrar o crescimento mais rápido, designadamente devido aos impulsos económicos da China e da India.

Em 2006, a RTP, SIC e TVI emitiram 3 mil notícias relacionadas com os meios regionais e locais, um dado que representa 4,9% do total das notícias publicadas.

Um estudo da PricewaterhouseCoopers denominado “Global Entertainment and Media Outlook 2006-2010” revela que em 2007 o sector dos media e do entretenimento em Portugal atingiu os 3 mil milhões de euros.

Os responsáveis de topo das empresas e os quadros superiores do sector financeiro preferem ler o Diário Económico e depois o Público. O terceiro jornal mais requisitado é no caso dos responsáveis das empresas o DN e no caso do sector financeiro o Jornal de Negócios.
publicado por Marco Freitas às 09:29

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
18
19
20

21
22
23
24
26
27

28
29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO