Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

21
Fev 07
Jardim demitiu-se...Depois de uma fase conturbada devido ao processo da Lei das Finanças das Regiões Autónomas (LFRA) esperava-se um período de monotonia políticas e, consequentemente, nos meios de comunicação social.
Depois do debate habilmente alimentado pela comunicação social, as páginas da política estariam a preparar-se para construir uma nova agenda mediática. Jardim mudou as cartas do jogo.

Politiquices à parte, para a comunicação social regional a decisão de Jardim abriu um novo período noticioso que alimentará um frenesim editorial, altamente favorável para quem faz da política um trunfo para aumentar as audiências e as vendas. O “carnaval eleitoralista e política” seguirá caminho até o verão e a comunicação social agradece.

O que se pede aos media neste período da vida da Região? Na minha perspectiva uma coisa essencialmente: clarividência.

Jardim encontrou motivos para se demitir após um período de convívio político aceso com um governo nacional socialista (sendo certo que não é só a questão da LFRA que provocou discordâncias).

Questionar de forma simplista as suas razões, a sua visão e pretensões é ignorar a sua experiência política e menosprezar a sua capacidade de leitura das nuances actuais e futuras da realidade regional e nacional.

Depois de encontrados os motivos, Jardim, numa atitude democrática (onde fica o tão propalado défice democrático neste quadro político?), fez propostas ao povo. São claras e não precisam de segundas leituras ou de teorias da conspiração para serem compreendidas.

Primeiro – o povo deve decidir que tipo de governação quer, qual o partido, que tipo de defesa da autonomia quer e quem quer a representar a Região. Em democracia que escolhe e decide é o povo..

Segundo – um novo paradigma de desenvolvimento é a segunda proposta de Jardim e, no meu ponto de vista, aquela que deverá estar no centro da campanha que se avizinha. Por isso, o que se deve pedir aos jornalistas numa altura destas é clarividência no sentido de darem a conhecer ao povo eleitor as propostas existentes, ou a ausência delas, e também no sentido de pressionar os políticos em batalha a abordarem o futuro da Madeira com seriedade e sem demagogias.

O que deve o povo esperar destas eleições?
Primeiro, que seja um referendo político a uma verdadeira autonomia, daquelas que permita dizer que não queremos nem mais um chavo do rectângulo mas que daqui também não sai mais nenhum tostão para o OE. Daquelas que só devemos respeitar soberania. .
Segundo, uma clarificação dos passos que a Madeira, como um todo, dever dar para alcançar um desenvolvimento sustentável e com ambição.
Quem defeder que não podemos ser auto-sustentáveis que fique a saber que isso não passa de receio de ir mais longe ou de puros desconhecimento porque basta olhar para o sucesso atingido por ilhas semelhantes ou mais pequenas que a nossa Madeira para perceber essa possibilidade. Temos os mecanismos necessários? Claro que sim. Podemos ter outros ou melhorar os existentes? É desejável que assim seja. Como tal o que povo deve esperar e exigir é que venham as propostas e não as críticas baratas e ignorantes. É disto que a Madeira precisa. Por isso, é importante que os meios de comunicação e os jornalistas seus profissionais sejam clarividentes e que usem do bom-senso na cobertura que vão fazer daqui para a frente.

Aos partido cabe a dimensão da propaganda e aos jornalistas a leitura atenta sobre os truques dessa propaganda.
O meu voto é que a comunicação social saiba expôr as fraquezas e as forças de umas ou de outras propostas. Para que isto aconteça os jornalistas terão de se desprender do tudo o que têm feito, escrito e esquematizado até agora.
Este é o momento do “ponto sem retorno”.
publicado por Marco Freitas às 23:10

Li com atenção a nota do Francisco Cardoso, donde se realça a preocupação sobre as questões sociais... não perdendo de vista a questão da mudança de paradigma económico na Madeira.

Uma primeira nota para dizer que é precisamente este tipo de debate que deve começar a correr na Madeira, tanto a nível da população em geral como das pessoas e organizações com influenciam e voz activa no desenvolvimento da Região. E, mais uma vez, digo: os jornalistas têm aqui um papel fundamental ao exigir um debate que vá oalém das brigas políticas e das promessas demagógicas.

Uma segunda nota para comungar da tua preocupação sobre as questões sociais. Podemos equacionar um novo modelo de desenvolvimento sem considerar os aspectos de âmbito social? É claro que não... Aliás, esse modelo que deverá ser mais orientado para as áreas de serviços, deverá inclusive pensar uma formas de integrar os trabalhadores desempregados,com ou mais escolaridade. Diz-se que "na natureza nada se perde tudo se transforma"... Ora, para um povo que viveu séculos isolado do mundo, que teve de construir estradas e romper túneis em escarpas, que aprendeu a vencer a barreira do mar, não será possível mudar as perspectivas? Não será possível orientar os trabalhadores da Região para outras áreas que não a construção e os sectores tradicionais, que cada vez mais confirma a sua falência? E também não será possíve redimensionar os sectores em crise por forma a tirar a máxima rentabilidade e a criar nichos de mercado muito específicos que, no mínimo garantem um número interessante de postos de trabalho e, em última instância, a longevidade e qualidade do nome Madeira no mundo (no caso dos produtos tradicionais)?

Caro amigo, penso que sabemos que isso é possível se destas eleições e da discussão que decorrerá entretanto resultar um espírito empreendedor e de algum sacrifício em prol de um bem maior: o bem global da Madeira.

E insisto, talvez por defeito da minha formação, os meios de comunicação social devem estar atento e marcar uma agenda temática e mediática que permita este tipo de discussão séria, critica e construtiva. Diria, até... Criativa
Marco a 28 de Fevereiro de 2007 às 13:01

Fevereiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
12
13
14
15
16
17

18
19
20
22
23
24

25
26
27
28


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO