Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

17
Fev 08
A demissão de Alberto João Jardim a 19 de Fevereiro de 2007 pode ser considerada um momento memorável na história recente da democracia nacional e regional. Na essência, porque um partido há imensos anos no poder resolveu – por decisão do seu líder – colocar-se numa posição de alguma fragilidade, no sentido de que uma corrida eleitoral é um processo dinâmico, pouco ou nada linear, um exercício subjectivo e sujeito a erros estratégicos. A sondagem que se diz ter sido pedida por Jardim para sustentar a sua decisão certamente não prometeu uma vitória absoluta.
Ir a eleições naquela altura, com todas as suas implicações, foi também uma decisão histórica porque comportava riscos dignos de registo. Desde logo, o quadro económico, social e político da Região. À data, para além da discussão sobre as condições económicas da Madeira, em consequência do debate sobre a LFRA, agudizou-se o chamado “contencioso com os Governos do território continental”, alimentando-se argumentos divisórios à unidade social entre povos de uma mesma nação.
Tudo isto aconteceu nos corredores do poder e também nas páginas dos jornais. Os meios de comunicação social foram palco preferencial de um debate aguerrido que culminou na demissão de Jardim, nas eleições antecipadas e na vitória retumbante de um partido.
Mas se a realização mais ou menos inesperada de um processo eleitoral podia oferecer perigo à maioria, os restantes partidos também tiveram de enfrentar a urgência da situação. Aparentemente, com excepção do CDS/PP, que convivia com uma situação interna difícil e apresentou-se ao eleitorado numa posição dúbia em relação à LFRA, os restantes partidos evidenciaram linhas estratégicas sem “meias-posições”. No global, considera-se que os partidos conseguiram dar uma resposta rápida às exigências da ocasião, sendo que a medida da sua eficácia ficou medida na noite das eleições, a seis de Maio. Estes aspectos da vida dos partidos foram reflectidos na comunicação social regional.


A relação de proximidade dos jornalistas com o universo político tem sido profusamente abordada por especialistas de vários campos e de várias ciências sociais, sob diversos prismas. A comunicação social regional não difere, neste aspecto, da restante nacional ou mesmo internacional. O que leva a perguntar, nos limites, se seria possível que os políticos sobrevivessem como tal sem o mundo mediático ou se os media se habituariam a não favorecer o espaço político. Isto para dizer que há uma reciprocidade de interesses entres as duas classes sociais e profissionais que, do lado positivo, podemos perceber um fim altruísta e social mas, do outro lado, daquele que traduz a ambição desmedida dos protagonistas, um uso direccionado, espartilhado e até anti-social.
Mais do que os espaços próprios da discussão da res publica, desde as assembleias de freguesia à Assembleia da República, ou ainda aos espaços socialmente activos das organizações associativas, a comunicação social posiciona-se como o palco preferido da política para se expressar, para influenciar a sociedade, as suas decisões e evolução.

Estas eleições antecipadas na Região tinham todos os condimentos para ser um alvo preferencial da agenda mediática. Aliás, um dos motivos que nos levou a realizar um trabalho de pesquisa e respectiva leitura analítica sobre este período mediático. Em tempos tão agitados, o esforço logístico dedicado às eleições, as transformações do espaço editorial, as escolhas editoriais e os temas envolvidos são aspectos interessantes da actividade jornalística, certamente, merecedores de estudo.
Marcou-nos a curiosidade de tentar descobrir quem e o que determinou a agenda temática da comunicação social regional. A dedicação da comunicação nacional ao tema foi, aliás, um sintoma de quanto este período merecia ser alvo de uma análise cuidada. Confesso que à data olhei para a logística nacional na Madeira sob o prisma de que falta temas polémicos na imprensa do rectângulo e, por isso, as eleições da Madeira eram um elixir interessante para os editores, até porque se centrava no impacto e na explosão informativa resultante do debate entre dois políticos de peso, como Jardim e Sócrates.
Em 84 dias registamos 2680 peças editoriais/informativas relacionadas com eleições antecipadas de 6 de Maio de 2007. Destas 1555 (58%) foram publicadas pelo DNM e 1125 pelo JM (42%). Em termos globais podemos dizer que não houve uma grande diferença em termos quantitativos na cobertura informativa do período em questão entre os dois títulos envolvidos no estudo.
A análise às fontes presentes nos trabalhos informativos revelou que 1684 foram de origem política. Logo depois surgiu como fonte preferencial a própria imprensa com 653 peças. Uma nota interessante da intervenção do sector na realidade social e política da altura. Um outro dado curioso está ao nível de referências nos títulos dos intervenientes activos da campanha em geral. Do total das referências em títulos, o PS foi quem obteve maior número (185), logo secundado pelas referências a AJJ (181). As referências ao PSD ficam aquém dos anteriores protagonistas (122) sendo que o CDS tem praticamente o mesmo nível de referências (117).
Uma das notas de relevo é que Jacinto Serrão, líder do maior partido da oposição, apresentou um número de referências tão baixa quanto do PND, pequeno partido que se lançou nesta campanha sem grandes pretensões e sem estratégias megalómanas de propaganda. Ou seja, Serrão obteve 56 referências em título e o PND 52. Todos os restantes partidos tiveram mais referências que estes (BE – 89; MPT-95; e CDU-94).
O trabalho de análise ainda não está concluído mas é nosso objectivo elaborar um trabalho rigoroso e sério que permita um registo digno daquele período importante da história democrática da Região.

Hoje colocamos no blog alguns dos textos analíticos que fomos produzindo ao longo deste ano e que deixamos à disponibilidade para serem comentados.
publicado por Marco Freitas às 10:50

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Fevereiro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO