Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

02
Mar 08
A vontade da Madeira em ser independente do território continental será tão velha quanto os primeiros tempos dos primeiros homens que pisaram a ilha. Em tempos mais remotos, o isolamento, a distância, a ausência de referências e de informação do poder central já eram factores de peso para essa vontade.
Com o tempo essa vontade foi adquirindo mais argumentos para justificar-se junto da população, tais como as decisões macrocéfalas de uma metrópole desconhecedora da vida das ilhas, ou ainda, o tratamento secundário dado a tudo que tivesse origem na Madeira e, não menos importante, uma gestão económica e financeira absoluta dos destinos da ilha, onde se inclui o pagamento de impostos sem a merecida retribuição.

Cabe também considerar neste leque de factores uma atitude partenalista que zelava pela dependência dos locais pelas mais-valias nacionais, ou melhor, da metrópole, coertando a pró-actividade local, a iniciativa e a ambição de ir mais longe.

Muito antes de Jardim, durante a sua era governamental, e muito depois continuar-se-á a falar de independência da Madeira, umas vezes de uma forma mais séria outras com muita fanfarronice à mistura.
Posto isto, alegar que o tema não faz sentido é menosprezar uma manifestação livre de vontade e, em última análise, negar todos os esforços em prol da autonomia da Região, já que o objectivo desta é a procura absoluta, dentro das normas mutuamente aceites, de uma independência clara e efectiva em relação ao continente.

Se tiver em conta muitos exemplos pelo mundo fora, sou forçado a recusar um paradigma que diz que só podemos falar de autonomia, mesmo que seja num plano avançado, como aquele sugerido por Jardim quando fala de “unidade diferenciada” .
Parece claro que a Madeira ainda não tem condições para debater-se por esse desiderato que é a independência – e as sondagens conhecidas demonstram a maturidade dos madeirenses a esse nível – mas quando estiver suficientemente evoluída económica e financeiramente e, em particular, no campo social e cultural, ou seja, da cidadania, nada impedirá os madeirenses de proclamar essa vontade. Exige-se, de facto, maturidade e uma grande capacidade diplomática, factores que não abundam nos dias de hoje na nossa classe política.

Contentemo-nos com a autonomia e façamos os possíveis para torná-la mais eficaz já que só assim conseguiremos gerir melhor os nossos destinos.
publicado por Marco Freitas às 09:36

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO