Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

02
Mar 08
O *astrisco* não podia ignorar a passagem do director da RTP-M, Leonel Freitas, pelo Parlamento regional. Como era previsível, a RTP-M e o seu director saíram vencedores deste debate. E se existiu um vencedor significa que houve um ou mais derrotados.
Digo previsível porque os telespectadores conseguem perceber uma política informativa mais equilibrada e participativa na RTP-M. As opiniões favoráveis ao canal são crescentes e, só por isso, previa-se uma RTP vencedora no debate. Se somarmos a perspicácia e o conhecimento de causa do seu director fica claro qual seria o resultado da presença de Leonel Freitas no Parlamento. A meu ver, os verdadeiros derrotados foram os políticos e os partidos que representam todas sem excepção. Leonel Freitas demonstrou por A+B que este ou aquele partido não tiveram mais tempo de TV porque não sabem ou não conseguem participar na agenda mediática e que por serem representante do povo consideram que devem estar sempre no alinhamento editorial do canal. É claro que esta intenção não é exclusiva dos partidos mas a ida da RTP à ALR está simplesmente relacionada com os partidos.
Os partidos têm a tendência para ditar regras sobre a cobertura noticiosa da comunicação social, claro está, sempre em prol do maior interesse da verdade, da sua verdade. Esta tendência, diga-se em abono da verdade, também é culpa dos meios de comunicação social. E porquê? Porque desde sempre habituaram mal os partidos ao cobrir toda e qualquer acção partidária, por insignificante que fosse em termos informativos para a população. Porque há. Não se julgue que cada visita que um partido faz a um canto da ilha é motivo de notícia. Contudo, a comunicação social tem estado sempre presente. Um mau hábito com consequências para a liberdade de escolhas editoriais. Por isso, com tenho defendido, deveria existir uma “carta comum” para comunicação social regional que estabeleça regras básicas e que os actores políticos (e outros) aprendam a respeitar.
A RTP-Madeira ao ir ao parlamento com a postura que foi prestou um grande serviço à comunicação social regional. Saiba-se reconhecer isto.
publicado por Marco Freitas às 09:39

De facto, a verdade dos números ditou a verdade do debate: não havia razão para tal. Mas a isso já estamos habituados, com políticos e partidos a quererem por tudo e por nada serem notícia.
Para mim, contudo, o mais grave veio depois. se bem entendi, uma tal ERC quer regular a cobertura noticiosa das estações públicas (rádio e televisão) ao número de votos que cada partido alcançou nas últimas eleições. Uma estupidez!!!
Então, um político já não é recompensado pelo trabalho que faz no dia-a-dia junto dos eleitores, ou um partido, por mais pequeno que seja, já não terá visibilidade só porque nas últimas eleições não teve os votos suficientes?! Afinal, vai-se premiar o quê com a distribuição dos "tempos de antena" pelas percentagens de voto? A inactividade pós-eleitoral, pós-'rabo sentado', imobilismo político e partidário...tipo o que vimos há poucos dias com o grupo parlamentar do PSD?! Uma ou duas frases e já está, após uma visita ao Norte da ilha e onde todos, quase todos, foram convocados e jornalistas para lá deslocados?! E as populações, as suas ansiedades e inconformidades, muitas vezes dadas à voz pelos pequenos partidos...é que os vencedores, chegados ao poder ou abaixo dele, tornam-se arrogantes..veja-se o caso nacional, com o PS de Sócrates...a mesma atitude, os mesmos tiques já vistos e revistos por estes lados anos a fio!!!
NÃO E NÃO...NÃO HÁ DIREITO...O POLÍTICO E O PARTIDO DEVE SER PREMIADO PELO SEU TRABALHO DO DIA-A-DIA, INDEPENDENTEMENTE DE TER OU NÃO ASSENTO NO PARLAMENTO! ISSO É DEMOCRACIA, O RESTO É DEMAGOGIA E AUTORITARISMO. Tenho dito.
Francisco Cardoso a 2 de Março de 2008 às 14:31

Março 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO