Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

12
Jan 09
Gaza.jpg

A Federação Internacional de Jornalistas (FIJ) apelou a todos os jornalistas para que protestem, pois a crise em Gaza tornou-se “intolerável” e “a manipulação sistemática e controlo dos média que tentam fazer o seu trabalho em Gaza e as mortes ocorridas no território requerem uma resposta concertada da classe a nível mundial”.

Esta reacção da organização que agrega mais de 600 mil jornalistas de todo o mundo surge na sequência do assassinato do jornalista palestiniano Eyhab Al Wahidi – o quarto a falecer no decurso da acção militar recente na Faixa de Gaza, segundo a FIJ – e do bombardeamento da Torre Al-Johara, onde estão instalados cerca de 20 órgãos de comunicação.

Eyhab Al Wahidi, operador de câmara da estação pública palestiniana em Gaza, morreu a 8 de Janeiro, aquando de raide israelita ao bairro onde vivia e que vitimou também a sua mulher e um dos pais desta, tendo provocado ferimentos nos filhos do casal.

No dia seguinte faleceu Ala Mortaji, repórter de uma rádio local, na sequência de ferimentos sofridos durante o ataque de um tanque israelita ao bairro de Zaitoun.

O ataque da Força Aérea israelita à Torre Al-Johara, levado a cabo a 9 de Janeiro, feriu um jornalista e destruiu o equipamento de transmissão via satélite que se encontrava no telhado, tendo o porta-voz do governo israelita, Mark Regev, referido que a acção militar contra o edifício visou anular equipamento de comunicações que poderia vir a ser usado pelo Hamas.

“Este ataque confirma o receio de que os média em Gaza se estejam a tornar alvos das forças israelitas.

É tempo de a comunidade internacional condenar estes ataques e garantir que qualquer acordo que acabe com as hostilidades também coloque os jornalistas fora da linha de fogo”, afirmou o secretário-geral da FIJ, Aidan White.

Também o Sindicato de Jornalistas da Palestina e o Comité para a Protecção dos Jornalistas (CPJ) protestaram contra o bombardeamento, considerando “inaceitável que jornalistas em serviço e as suas redacções sejam atacados desta maneira”, até porque “os jornalistas gozam de protecção ao abrigo da lei internacional”.

O mesmo recordou a ONU, em carta enviada ao embaixador de Israel junto da organização, tendo o secretário-geral Ban Ki-Moon apelado ao fim imediato dos confrontos em Gaza por forma a garantir o acesso humanitário à região, para assim ajudar o milhão e meio de civis que tenta sobreviver apesar do rápido deteriorar das condições de vida no território.

Condicionar a comunicação social

Também a 8 de Janeiro, dois canais israelitas e a BBC foram autorizados a acompanhar brevemente tropas do estado judaico, mas não há indícios de que o governo venha a permitir o acesso livre de jornalistas a Gaza, apesar das deliberações nesse sentido do Supremo Tribunal e das exigências nesse sentido das várias organizações de defesa da liberdade de imprensa.

Segundo a FIJ, as preocupações com a segurança dos jornalistas são legítimas, mas não devem servir de desculpa para impedir que estes façam o seu trabalho, pois quando um lado controla a mensagem a tentativa de relatar a verdade acaba submersa pela propaganda.

“Há uma tentativa cínica de garantir que os média contem a história apenas a partir do lado israelita.

A verdade não poderá ser contada a menos que os jornalistas se possam mover livremente, falar com todos os envolvidos e ver com os seus olhos o que acontece no terreno”, disse Aidan White, criticando a sofisticada operação de comunicação de Israel, que fornece aos jornalistas contactos, estatísticas, viagens pelo Sul de Israel e entrevistas com vítimas israelitas de rockets atirados a partir de Gaza.

Jornalistas atingidos em manifestações

Nos vários protestos que têm ocorrido contra o conflito um pouco por todo o mundo há a registar três casos de jornalistas feridos.

Em Qualqilia, na Margem Ocidental, o operador de câmara Khalil Riash, ao serviço da agência noticiosa palestiniana Ma’an, foi atingido a tiro na perna esquerda por tropas israelitas enquanto cobria um protesto pacífico.

Ao lado, na Jordânia, o correspondente da Al-Jazeera em Amã, Yasser Abou Hlaleh, teve a sua câmara e telemóvel confiscados e foi agredido pela polícia durante confrontos entre as autoridades e um grande grupo de manifestantes que foram impedidos de marchar até à embaixada de Israel, em protesto pela ofensiva contra Gaza.

Por fim, em Argel, durante uma manifestação pró-palestiniana, o repórter Hocine Ben Rabie sofreu ferimentos graves na cabeça, encontrando-se hospitalizado em estado crítico.
publicado por Marco Freitas às 17:16

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO