Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

03
Nov 08
Imprensa. Enquanto a TV pode beneficiar com a crise, porque muita gente corta despesas (jantar fora ou o jornal que está mais caro) para ficar em casa, já a imprensa a sente. Está a perder leitores e a ter prejuízos, logo vai despedir pessoas. Mas há os que vêem na Net uma nova via para a sobrevivência

Imprensa é a que mais vai sofrer, enquanto a TV pode beneficiar

Enquanto uns se defendem da crise despedindo pessoas para cortar custos e compensar os prejuízos - caso dos americanos USA Today e Los Angeles Times -, outros optam por mudar do papel para a Internet, para ganhar mais leitores e, consequentemente, mais receita por via da publicidade, que está a crescer neste meio. É o caso do diário norte-americano The Christian Science Monitor (CSM), que, perto de completar o seu centenário (25 Novembro), anuncia que deixará "provavelmente" de ser editado em papel, a partir de Abril de 2009. A alternativa é uma edição diária online e outra ao fim-de-semana, em papel, com reportagens mais aprofundadas.

A decisão do primeiro jornal de circulação nacional e um dos pioneiros nas edições electrónicas na Internet em apostar no online diário em detrimento do papel deve-se a quase 40 anos de declínio nas vendas. Actualmente, a tiragem é de 52 mil exemplares, quando nos anos 70 ultrapassou os 220 mil.

O objectivo é potenciar o uso da Internet para um "jornalismo mais rápido", melhorar a relevância do jornal, "aumentar lucros e diminuir custos", explicou Judy Wolff, responsável da The Christian Science Publishing Society. Já o director da publicação, John Yemma, reforça que não se trata de um site apenas para remeter o leitor para as notícias já publicadas no papel, ao mesmo tempo que reconhece o potencial interesse dos jovens leitores pelo online.

Sedeado em Boston e vencedor de sete prémios Pulitzer, o CSM é editado de segunda a sexta-feira. Com as alterações, pretende manter as oito delegações internacionais (e as nove nos EUA), mas haverá cortes "modestos" na equipa de 95 jornalistas e 30 administrativos. E acredita que só perderá 15% dos seus leitores.

Mais pessimista é a visão do USA Today e do Los Angeles Times. O primeiro anunciou que vai cortar 10% do número dos seus funcionários, ou seja, cerca de mil, para fazer face à quebra de 33% nas sua receitas, no terceiro trimestre. Enquanto o Los Angeles Times anunciou a saída de 75 pessoas na área editorial, mas 200 no total da publicação.

A mesma sina deverá ter o grupo Washington Post (detém jornal com o mesmo nome e a Newsweek), que anunciou a quebra de 86% nas suas receitas, no terceiro trimestre, para 10,3 milhões de euros, face ao mesmo período de 2007, em que registou 72,5 milhões de euros. Menos vendas em banca e de anúncios ditou este resultado.

"Temos o luxo - a oportunidade - de dar o salto que a maioria dos jornais terá de fazer nos próximos cinco anos", assegura o director do The Christian Science Monitor. Apesar do apoio financeiro da Igreja da Ciência Cristã (Church of Christ, Scientist), que, este ano, deve chegar aos 9,5 milhões de euros, o CSM espera um prejuízo de 14,8 milhões de euros até ao final do ano fiscal em Abril. Mas não só: o CSM obtém 7 milhões de euros em assinaturas e apenas 783 mil euros em publicidade, com o online a contabilizar 1,3 milhões para apenas três milhões de páginas visualizadas por mês por 1,5 milhões de acessos individuais.

Para 2013, quando espera equilibrar receitas e despesas, as perdas devem chegar aos 8,3 milhões de euros e o apoio da Igreja de apenas 2,9 milhões de euros. "Todos falam de novos modelos" para o jornalismo, acentua Yemma. "Este é um novo modelo", conclui.

Esta é a ideia defendida por vários analistas, nomeadamente Dan Gilmor, do Centro Knight para os meios digitais, da Universidade de Arizona, EUA, que diz que o CSM não será o único. "Será uma transição lenta mas em larga escala, a maior parte do que hoje lemos em letra impressa estará online", além de que "aparecerão novos formatos que tornarão mais simples a leitura dos documentos electrónicos", conclui.

Fonte: DN
publicado por Marco Freitas às 09:38

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
14
15

16
22

23
25
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO