Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

06
Nov 08
teclado_computadores2.jpg

O jornalismo online português encontra-se num "impasse", depois de uma fase de "euforia" que durou apenas entre 1999 e 2000, defende Helder Bastos, professor da Universidade do Porto, que concluiu recentemente uma tese de doutoramento sobre o tema "Ciberjornalistas em Portugal: Práticas, Papéis e Ética".

A tese, defendida com sucesso na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, é a primeira sobre o jornalismo online feito em Portugal.

Efeito dominó

Através de um inquérito a 67 jornalistas que trabalham em meios online, Helder BastosHelder Bastos concluiu que as práticas, os papéis e os questionamentos de ordem ética dos ciberjornalistas portugueses encontram-se limitados devido a um enquadramento histórico, empresarial, profissional e formacional desfavorável.

Entre os diversos factores, há um que "provoca o maior efeito dominó": "a economia do ciberjornalismo". "Nunca se conseguiu encontrar um modelo que desse para pagar os salários dos jornalistas", afirmou ao JPN.

Mesmo ao nível regional há um "amadorismo a nível empresarial" que não permite a evolução do género. Porém, Helder Bastos vê "um factor que pode vir a alterar alguma coisa: a percepção que os mais jovens estão a ir para a Net" em detrimentos dos outros meios.

Falta debate ético

Este contexto de "estagnação" dura desde o início do jornalismo online português, em 1995. Foi interrompido apenas por volta de 1999 e 2000, na recta final do boom global das empresas de novas tecnologias. Pelo meio, houve "alguns investimentos contracorrente, mas nada que contrariasse a estagnação", nota Bastos.

O "subdesenvolvimento" deste género de jornalismo em Portugal relega para um segundo plano o questionamento ético. "A esmagadora maioria dos ciberjornalistas acha que os jornalistas e os ciberjornalistas devem partilhar as mesmas questões éticas. Quase metade acha que o ciberjornalismo não levanta novas questões éticas", diz.

Segundo o docente de Ciberjornalismo, "falta discussão" sobre problemas e questões específicas do género. Cita, por exemplo, o debate noutros pontos do mundo sobre fazer ligações para outros sites, a ligação entre publicidade e informação e a legimitidade do uso de vídeos com direitos de autor, oriundos de serviços como o YouTube, como exemplos de discussões que não estão a acontecer em Portugal.

Quase metade não sai em reportagem

Uma das conclusões que mais "espantou" Helder Bastos foi constatar que a interactividade com os leitores ocupa pouco tempo nas rotinas dos jornalistas, quando ela é "uma das imagens de marca do ciberjornalismo".

Quase metade dos jornalistas raramente sai em reportagem e o dia-a-dia é ocupado, em grande parte, a editar textos de agências noticiosas.

Fonte: JPN
publicado por Marco Freitas às 17:25

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
14
15

16
22

23
25
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO