Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

09
Dez 09

jornais220.jpg

O e-mail surge como o meio mais utilizado para fazer chegar a informação às redacções.

 

É também considerado “o mais prático” pelos jornalistas, seguido pelo “telefonema” e pelo fax.

 

Esta é apenas uma das conclusões do primeiro estudo “Jornalistas e Empresas – Pistas para uma relação necessária” realizado em Portugal.
 

Com assinatura da consultora Cidot – Estúdio de Comunicação, o documento tem como “objectivo geral analisar as relações profissionais entre empresas e instituições e os Meios de Comunicação”, explica a empresa.

 

Segundo adianta Marta Mimoso, directora-geral da Cidot Portugal, o estudo pretende ainda “clarificar o papel das agências de co¬municação no serviço que prestam às empresa”, considerando que “em Portugal, esse papel – e em particular as relações com os meios de comunicação social – continua envolto em polémica, desconhecimento e superstição”.

Como chega a informação aos jornalistas

Realizado a partir de 238 entrevistas, junto de jornalistas dos vários meios, o primeiro ponto sobre o qual foi solicitada informação aos profissionais teve a ver com o canal habitual através do qual recebem informações sobre empresas ou instituições para sua publicação.

A conclusão é que não existe um canal único através do qual um Meio recebe notícias de empresas e instituições.

 

O “correio electrónico” surge como o meio mais apontado, menciona¬do por 97,5% dos entrevistados, seguido pelo “telefonema” e o “fax”, com 68,1% e 64,6% respectivamente.

 

Para além destes canais, 43,3% dos jornalistas mencionou também a “conversa pessoal” e 37,4% apontam a “Internet/Web”.

 

Outros meios através dos quais são recebidas notícias são, segundo os jornalistas consultados, o estafeta (31,1%) e o correio (20,2%).

Quanto aos canais considerados mais práticos para receber informação, os inquiridos, independentemente do meio onde trabalham, apontam em maioria o “correio electrónico”.

 

Já quando analisados por meio de comunicação, os dados apontam uma maior percentagem de jornalistas de meios digitais a considerar mais prático o telefonema (25%).

 

Valor superior à do resto dos profissionais, sobretudo os da rádio e da televisão (4,2%).

Assumindo a importância do “correio electrónico”, a Cidot perguntou ainda aos jornalistas se preferiam receber as informações na sua própria caixa de correio electrónico ou na da secção.

 

A preferência maioritária vai para o e-mail particular, adianta o relatório.

Comunicados de imprensa são os menos credíveis para os jornalistas


“Comunicados de imprensa”, “conferências de imprensa”, “conversa telefónica” e “entrevista pessoal” foram os quatro modos diferentes de transmitir a informação considerados pelo estudo na questão: “da sua experiência do último ano, quais dos mecanismos utilizados pelas empresas e instituições lhe merece mais credibilidade?”

Dos quatro, os mais credíveis foram a “entrevista pessoal” (51,3%) e a “conferência de imprensa” (16,4%). Já a “conversa telefónica” e o “comunicado” surgem como os canais menos credíveis (com 10,5 e 9,2% das respostas respectivamente).

Estas são apenas algumas das conclusões do estudo da Cidot realizado em Portugal.

 

Para saber mais, sobre o estudo e sobre a relação entre os jornalistas e as empresas, não perca a próxima edição impressa do Briefing.

publicado por paradiselost às 11:14

Dezembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
23
24
25
26

27
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO