Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

18
Nov 09

trendwatch.jpg

As conclusões são do “The TrendWatch”, um relatório internacional desenvolvido pelo Grupo Fullsix nos diferentes escritórios da agência em todo o mundo.

 

Apresentado ontem em Lisboa, o estudo aponta "as 10 tendências que irão influenciar o futuro das estratégias de comunicação":

1. Realidade Aumentada – utiliza uma câmara para sobrepor informação virtual à realidade. Esta experiência permite à marca adicionar um sexto sentido na relação com o consumidor.

2. Inteligência Geo-espacial – com o aumento da mobilidade as marcas que proactivamente fornecerem respostas em tempo real sobre um contexto distinguem-se das restantes.

3. Comércio de conteúdos – com a proliferação dos vídeos interactivos os consumidores vão poder comprar itens enquanto assistem aos conteúdos multimédia.

4. Cross-screen  - o universo de media tem vindo a aumentar assim como o número de ecrãs onde a informação está disponível. Para os marketers isto significa que as mensagens terão que estar acessíveis quando, onde e como os consumidores as desejem.
5. Micro-comércio - oferecer bens e serviços em micro-pagamentos pode ajudar uma marca a transformar o comportamento de compra, até agora premeditado em compras impulsivas.

6. Mundo que fala – os objectos poderão ser convertidos em canais de comunicação eficazes, capazes de envolver e interagir com o consumidor.

7. Ground-swell surfing – a velocidade do vento, a duração e abrangência são factores chave para a produção das maiores ondas de surf; o mesmo acontece online: novas tecnologias sociais emergem rapidamente (velocidade), todos os segmentos despendem mais tempo em social networking (duração), em todos os pontos do globo (abrangência).

8. Guerra de dados – se o Facebook fosse um país seria o quarto maior a seguir aos EUA. Em 2011 o universo digital será 10 vezes maior do que era em 2006. Isto significa que as oportunidades para as marcas são imensas.

9. Fremium Model  - é benéfico deixar uma vasta audiência experimentar sem custos, uma oferta de uma marca. Rapidamente, a elevada procura por esses produtos convertem-nos em bens Premium.

10. Long Tail vs DNA – imagine-se a oportunidade de negócio para uma empresa que, recorrendo a sistemas flexíveis de fabrico computorizado, consiga produzir de acordo com as características de cada indivíduo. Qual será o futuro da ultra-costumização?

publicado por paradiselost às 16:03

rainha-fabola-19-5-225

O objectivo da principal agência de notícias da Bélgica de promover o chamado "jornalismo do cidadão" desembocou numa grande polémica, depois da difusão da falsa morte da rainha Fabiola.

 

"A história de uma incrível derrapagem provocada pela… agência Belga", resumiu terça-feira o diário francófono Le Soir, num artigo cujo título era "Fabiola afinal está viva".

 

A empresa inaugurou segunda-feira um novo fluxo de notícias, com o rótulo "Ave News", que os seus principais clientes começaram a receber junto com as notícias normais.

 

Os conteúdos desse fluxo informativo provinham de um novo serviço, o "I have news(Eu tenho notícias)", criado pela Belga, seguindo o modelo do Twitter, uma rede de microblogues online.

 

O objectivo era "não perder nenhuma informação", podendo dela ser testemunho qualquer cidadão.

 

Através da página http://www.ihavenews.be", a Belga garantia, e continua a garantir ainda, enviar "a todas as redacções do país" a noticia que quem quer que tenha "visto ou ouvido alguma coisa interessante perto da sua casa" ou que tenha sido "testemunha de algo mais do que um mero incidente".

 

Apesar das precauções (é obrigatório registar-se, indicar o número de telefone e o correio electrónico), um participante introduziu no sistema a informação falsa de que a rainha tinha morrido.

 

"A rainha Fabiola morreu. Faleceu ao comunicar-se-lhe a separação de Laurent e Claire", informava o autor, Jos Joskens (que pode traduzir-se como "homem da rua").

 

A falsa notícia apoiava-se no rumor sobre os supostos desentendimentos entre os dois príncipes.

publicado por paradiselost às 15:41

Novembro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
14

15
19
21

24
25
26
27
28

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO