Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

29
Out 09

http://ultimahora.publico.clix.pt/imagens.aspx/253874?tp=UH&db=IMAGENS&w=320

Bento XVI convidou hoje todos os que na Igreja Católica trabalham no âmbito da comunicação social e que têm responsabilidades pastorais a responder aos desafios que as novas tecnologias colocam à evangelização.

 

Num encontro com os delegados participantes na Assembleia Plenária do Conselho Pontifício para as Comunicações Sociais, que terminaram hoje uma semana de reuniões no Vaticano, o Papa sublinhou as mudanças registadas nos últimos 20 anos no mundo da comunicação, tornado sistema global, que "solicitaram e continuam a solicitar uma análise atenta sobre a presença e a acção da Igreja".

 

Bento XVI recordou a sua mensagem para o Dia Mundial das Comunicações Sociais, a 21 de Maio, na qual destacava a importância das novas tecnologias e exortava à promoção de "uma cultura do respeito pela dignidade e o valor da pessoa humana".

 

"Com efeito, a cultura moderna nasce, antes mesmo dos conteúdos, da própria existência dos novos modos de comunicar que utilizam uma linguagem nova, se servem de novas técnicas e criam novos relacionamentos psicológicos", acrescentou.

 

"Tudo isto constitui um desafio à Igreja, chamada a anunciar o Evangelho aos homens do terceiro milénio, mantendo inalterado o seu conteúdo mas tornando-o compreensível, graças a instrumentos e modalidades conformes à mentalidade e cultura de hoje", sublinhou.

 

Os cerca de 60 delegados à reunião plenária do Conselho Pontifício das Comunicações Sociais (CPCS), entre os quais o cónego António Rego, director do Secretariado Nacional das Comunicações Sociais, debateram esta semana um novo documento pastoral sobre os media e a Igreja que o Vaticano deverá publicar em breve, com o objectivo de actualizar a pastoral da Igreja Católica na comunicação social.

publicado por paradiselost às 22:15

logo-mundial.jpg

Foi ao início da tarde de hoje apresentada a imagem criada pela Euro RSCG Design & Arquitectura para a candidatura ibérica ao Mundial de Futebol de 1018 ou 2022.

 

Eugénio Chorão, CEO da agência, explicou ao M&P que na base do conceito estiveram sentimentos e ideais que unem os dois países e os dois povos:

 

“A mesma paixão pelo futebol e o mesmo desejo de o receber em festa”, refere.

 

A imagem resulta da “união entre as duas bandeiras, expressas em traços fluídos e fortemente plásticos.

 

É um símbolo comum, uma bola, em redor da qual estamos todos unidos”, explica.A Euro RSCG Design & Arqui­tectura foi a agência escolhida em concurso pela Federação Portuguesa de Futebol e pela Real Federación Española de Fútbol para desenvolver a identidade da candidatura ibérica.

 

Recorde-se que, segundo o M&P avançou em Junho, tinham sido convidadas a participar no concurso três agências portuguesas e três espanholas.

 

Do lado português concorreram a Brandia Central, a Euro RSCG Design & Arquitectura e a Santa Fé.

publicado por paradiselost às 17:27

Diário Económico celebra aniversário com maior acção de marketing de sempre

O Diário Económico celebra o seu 20º aniversário, com o lançamento de uma “edição de coleccionador” e uma edição gratuita do Económico Weekend.

 

Será lançada amanhã uma edição especial de 120 páginas naquela que foi, segundo o director do Diário Económico, António Costa, “a maior acção de marketing do jornal até hoje”.

 

Com o carimbo “edição de coleccionador”, o Diário Económico irá para as bancas amanhã num formato alargado e com diversos conteúdos especiais.

Por sua vez, dado o Económico Weekend ter sido criado há cerca de um ano, aquando da união entre as redacções do, já extinto, Semanário Económico, com o Diário Económico, “decidiu-se fazer uma acção conjunta”.

 

António Costa refere que o Dia Mundial da Poupança, que se celebra este Sábado, foi visto como o momento ideal para desenvolver uma edição gratuita, algo que ainda não tinha sido feito no grupo.

Numa altura em que se cumpre pouco mais de um ano sobre a aquisição dos vários títulos do grupo por parte da Ongoing, o Director do Diário Económico diz sentir “uma total receptividade do mercado publicitário, algo que se tornou ainda mais visível através das 50 páginas de publicidade da edição especial do Diário Económico de amanhã”.

Ainda em comentário ao Briefing, António Costa explica que a edição gratuita de Sábado visa não só reforçar as vendas, “dando a conhecer o jornal a quem ainda não conhece”, como também brindar “os que estiveram connosco ao longo deste primeiro ano”.

 

O Director do Diário Económico acrescenta que ambos os projectos, de grande envergadura, exigiram também “um esforço e dedicação” ao nível interno.

Para além das notícias da actualidade, o jornal, fará, ao longo das várias secções, uma retrospectiva da marca Económico.

 

Os artigos de opinião e reportagens especiais, a figurar no corpo do jornal, serão ainda acompanhados por um suplemento com ensaios sobre o futuro da política e economia ao nível nacional e internacional, com textos da autoria de Paulo Teixeira Pinto (política nacional), João Duque, (economia nacional) e Vasco Rato (política e economia internacional).

 

Juntamente com estes ensaios será também feita a pré-publicação do primeiro capítulo do livro do jornalista Filipe Fernandes sobre a história do Diário Económico entre 1984 e 1994.

publicado por paradiselost às 17:22

Ver imagem em tamanho real

 

 

 

 

A nova medida tem como objectivo cativar novos leitores e evitar o declínio da Imprensa. Situações desesperadas requerem medidas desesperadas.

A crise económica que atingiu a imprensa levou o governo francês a anunciar o projecto "My Free Newspaper", que permitirá aos jovens entre os 18 e os 24 anos receber um ano de jornais, como "Le Monde" ou "Le Figaro" através de uma subscriação gratuita.

publicado por paradiselost às 12:42

 

Esta crise global que o mundo vive é, provavelmente, a primeira grande crise da Sociedade da Informação.

 

Porquê? Porque o sistema financeiro, onde se iniciou a crise, tendo vindo a desenvolver os seus processos de negócio à escala global, na sua quase totalidade processos de informação, com base nas tecnologias da informação e comunicação (TIC), as quais suportam e caracterizam a sociedade da informação.
 

A APDSI não se pode dissociar desta nova conjuntura que a sociedade enfrenta, e seus reflexos na relação entre administração local e sociedade da informação, organizando um seminário, que terá lugar no dia 30 de Outubro, às 09:00 horas, no Auditório da Fundação Portuguesa das Comunicações, com o objectivo de investigar e debater como pode a administração local utilizar os meios da sociedade da informação como vector de dinânimca local para superação.

publicado por paradiselost às 11:16

Smartphones: os telefones mais espertos

Os preços serão o lado menos simpático dos smartphones, mas estes compensam com muitos pontos de atracção.

 

Comparámos os quatros sistemas operativos mais importantes do mercado.

 

Os smartphones estão a conquistar cada vez mais utilizadores.

 

Novas necessidades como o acesso permanente ao e-mail, à Internet e às redes sociais são um dos motores desta mudança.

 

Mas há mais pontos de atracção nestes terminais mais caros.

 

A ligação a lojas online que permitem a compra de aplicações e música, os serviços de georreferência e os jogos causais, são excelentes exemplos do que está a motivar o investimento em telefones que, na maioria das vezes, têm preços acima dos 500 euros.
 

Aqui ficam quatro equipamentos que representam os quatro sistemas operativos mais importantes do mercado. A saber: iPhone, Symbiam, Android, Windows Phone.

publicado por paradiselost às 10:40

LOGODEFblog

O semanário Privado suspendeu a sua publicação.

 

O título lançado a 1 de Julho pela Vozes e Prosas, estrutura criada por José Leite (antigo director de O Crime), António Manuel Pinho (director do jornal Conversas de Café) e Mário Pontes, já não vai para as bancas, prometendo a direcção, em nota publicada no blogue do jornal, regressar no próximo ano com “melhores condições, com nova imagem e novos meios”.

 

“É preciso trazer a este projecto de jornalistas uma nova e necessária componente: a sua elevação a um projecto empresarial, dotando-o de meios e instrumentos necessários à sua afirmação no universo mediático.

 

E, por outro lado, reiniciar a nova edição em condições de promoção e divulgação que permitam ao semanário Privado subir a um outro patamar, nomeadamente, tornando-o conhecido de cada vez mais leitores”, pode-se ler na nota da direcção.

 

Até ao fecho desta edição online não foi possível obter um comentário da direcção.

 

O título tinha um preço de capa de 1 euro, 24 páginas e uma tiragem de 30 mil exemplares, posicionando-se como um título que visava ser uma “voz interventiva, única e independente”, como o descrevia aquando o lançamento, em declarações ao M&P, António Manuel Pinho.

publicado por paradiselost às 10:07

Outubro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11

24

31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO