Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

17
Ago 09

O Colégio Nacional de Jornalistas revelou, sexta-feira, que entre o ano de 2000 e 2008, na Venezuela, ocorreram mais de mil casos de agressões a jornalistas.

 

O Colégio Nacional de Jornalistas é a instituição venezuelana responsável pela atribuição da carteira profissional no país.

 

"Contabilizamos, dentro da Comissão Nacional de Protecção de Jornalistas, mais de mil agressões à liberdade de expressão, desde o ano de 2000 até 2008. São números que estão documentadas e foram denunciados ante a comissão para a Liberdade de Expressão da OEA e da ONU", disse o seu presidente.  

 

William Echeverría falava á Agência Lusa à margem de uma marcha de centenas de jornalistas até à Procuradoria Geral da República, onde entregaram um documento condenando um ataque, quinta-feira, de simpatizantes do presidente Hugo Chávez, a três dezenas de profissionais da Cadena Capriles, que fez 12 feridos, oito deles com gravidade. 

 

A Cadena Capriles, é uma empresa venezuelana detentora do Últimas Notícias, o jornal de maior tiragem no país, muitas vezes acusada pela oposição de simpatizar com o regime do presidente Hugo Chávez. É também proprietária dos jornais El Mundo e Líder, a revista dominical e do portal digital cadenaglobal.com. 

  

"O Colégio da Venezuela declara-se em completa mobilização em todo o país para sair às ruas a protestar", disse. 

 

 

publicado por paradiselost às 09:59

Agosto 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
12
13
14
15

16
19
22

23
25
27
29

30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO