Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

08
Jan 09
O projecto LocalVisão TV, uma televisão online alojada em www.localvisao.pt que pretende chegar aos 308 concelhos nacionais e dar “voz às autarquias e populações locais”, está desde Janeiro a emitir para mais um distrito.

Depois de em Outubro o M&P ter anunciado o arranque do projecto no distrito de Bragança, com 12 canais, o de Guarda é, desde o início do ano, o novo destino e conta com 14 canais.

Carlos Ramalho, o director geral da Comunicação, Marketing e Tecnologias da Informação (CMTI) - empresa responsável pelo projecto - revelou ainda que para meados de Fevereiro será iniciada a produção de conteúdos também no distrito de Castelo Branco estando já seleccionadas e estabelecidas parcerias locais.

Segundo Carlos Ramos, a LocalVisão TV está a criar em média, 10 postos de trabalho por distrito entre jornalistas, operadores de câmara e editores. “Vila Real, Porto, Viseu, Lisboa e Faro são os próximos distritos onde o projecto será lançado”, adianta o responsável
publicado por Marco Freitas às 09:46

Com uma equipa a rondar as 100 pessoas, o novo diário do grupo Lena prepara-se para chegar às bancas antes do Verão.

A conjuntura de crise não travou os planos dos responsáveis. Dirigido às classes A e B, assume aposta virada mais para o Sul.

Aos que dizem que será esta a pior altura para lançar uma nova publicação generalista de âmbito nacional no mercado, Martim Avillez Figueiredo, ex-director do Diário Económico, cabeça de cartaz deste projecto e seu futuro director, responde: "Estão enganados.

Os momentos de crise, como os chineses nos ensinaram, podem ser extraordinários em termos de oportunidades. Este jornal está concebido para aproveitar a crise".

A seu ver, é nestas alturas que "os jornais são mais úteis aos cidadãos, além de criarem outras oportunidades de negócios". Mas, no concreto, a que oportunidades se referia, não quis adiantar, dizendo apenas que o que está em causa é lançar uma nova marca de informação.

Avillez Figueiredo contesta ainda a ideia de que a sua concorrência seja o jornal Público."Não vamos concorrer com um projecto que perde dinheiro", dá como resposta. "É muito distinto", insiste."Procura ir ao encontro de um mercado que não está preenchido na informação, que é o de uma camada entre a classe A e B e sobretudo mais localizada a Sul".

O novo diário, nome provisório, diferenciar-se-á, segundo o director, sobretudo pelo forte cunho editorial.

Mais precisamente: "Será um jornal muito mais editado do que os outros e com muito mais escolhas". Está previsto que faça "opções claras". Não estará, propositadamente, em todos os acontecimentos, mas, naqueles em que marcará presença, dará desenvolvimento e profundidade às notícias.

Classifica-o ainda como um jornal de "boa informação", em vez de ser um jornal de boas histórias, um campo a devolver à literatura, defende.

Consciente de que um projecto desta envergadura não pode dar lucro de imediato, Avillez lança um prazo alargado de quatro, cinco anos, para que esse intento se cumpra, apontando que esse é o costume para empreendimentos com estas características.

Quanto à equipa, o director revela que ainda não está completamente fechada. Entre os que já arregaçam as mangas pelo projecto estão Sílvia Oliveira e Francisco Camacho, adjuntos de Avillez; e André Macedo e Miguel Pacheco, director executivo e subdirector, respectivamente.

O grupo Lena, ligado à construção civil, não é novato nesta área. A Sojormedia, sua "holding", possui sete títulos regionais, entre os quais o "Diário As Beiras" e o semanário "Região de Leiria".
publicado por Marco Freitas às 09:40

O semanário gratuito "Sexta", projecto conjunto dos jornais "A Bola" e "Público", não será publicado esta sexta-feira, estando as administrações a avaliar "vários cenários" possíveis para o futuro do título.

De acordo com a Administração do "Público", as empresas "estão a avaliar vários projectos para a marca 'Sexta'".

A mesma fonte remeteu mais esclarecimentos para mais tarde. A distribuição do jornal foi suspensa na altura do Natal e passagem de ano, algo que já tinha acontecido em 2007, mas que seria retomada amanhã.

O primeiro número do "Sexta" foi distribuído a 26 de Outubro de 2007 como encarte dos dois diários, nas caixas da rede de supermercados e hipermercados Modelo e Continente e nos postos da Galp - que são parceiros do semanário - em todo o país.

O lançamento do "Sexta" envolveu um investimento de dois milhões de euros e o projecto era gerido por um Agrupamento Complementar de Empresas (ACE), participado em partes iguais pelo diário "Público" (detido pela Sonaecom) e pelo desportivo "A Bola" (da Sociedade Vicra Desportiva).

Segundo os últimos dados da Associação Portuguesa para o Controlo de Tiragens e Circulação, a distribuição média do semanário em 2008 foi de 298 614 exemplares.

Também o "Meia Hora", diário gratuito do grupo Cofina, deixou de ser distribuído nas ruas, para passar a estar disponível apenas em escritórios.
publicado por Marco Freitas às 09:35

Janeiro 2009
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9
10

11
14
17

18
19
20
21
22
24

25
26
27
28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO