Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

05
Dez 08
Ler.jpg

Foi ontem aprovado, no âmbito do programa SIMPLEX, um decreto regulamentar que pretende reduzir os encargos administrativos no registo de órgãos de comunicação social e em alguns casos desmaterializar os mecanismos de registo.

Está também prevista uma simplificação deste processo.

Segundo comunicado do Conselho de Ministros, com a aprovação do diploma, é adoptada a regra da oficiosidade no registo dos operadores de rádio, televisão e dos respectivos serviços de programas.

É também eliminada a necessidade de prova de regularidade das publicações periódicas.

O diploma regulamenta ainda as disposições previstas na Lei de Televisão relativas ao registo da actividade de televisão que consista na difusão de serviços de programas televisivos exclusivamente através da Internet e ainda o registo dos operadores de distribuição.
publicado por Marco Freitas às 18:06

CLP TV.jpg

A empresa detentora do CLP TV, televisão de língua portuguesa sediada em França, foi liquidada na última segunda-feira, disse à agência Lusa o director da CLP TV, António Cardoso, acrescentando ter-se tratado de um pedido directo ao tribunal, o que significa que não há hipótese de recuperação.

O canal não emitia desde sete de Outubro, situação que já tinha ocorrido em Setembro.

Na altura, o administrador Mário Martins explicou o caso com "uma avaria técnica que bloqueou o satélite", mas fonte da estação disse que a situação esteve associada a um conflito com a emissora Globecast por falta de pagamentos.

António Cardoso pondera agora "processar os administradores", acusando-os de "transformar um projecto para a lusofonia num canal comunitário, prejudicando-o".

"Considero que há indícios de gestão danosa e que os accionistas que se juntaram a mim devem ser reembolsados - no mínimo - do seu investimento", afirmou.

De acordo com António Cardoso, a empresa foi liquidada porque o presidente e o director-geral "entenderam que não tinham hipóteses de continuar a trabalhar com o Conselho de Administração".

Os cerca de 30 trabalhadores da CLP TV "serão despedidos pelo liquidador", adiantou.

Com pouco mais de um ano, o CLP TV tem atravessado várias crises.

O projecto surgiu da iniciativa de um grupo de 20 empresários portugueses de diversas áreas de actividade radicados em Paris, tendo arrancado com 80% da programação em Português, já que a lei francesa obriga a que os restantes 20% sejam em Francês.
publicado por Marco Freitas às 17:50

São hoje conhecidos os finalistas do processo de recrutamento Queroserjornalista.com, projecto desenvolvido com vista a seleccionar cerca de 15 jornalistas estagiários que irão integrar a redacção do novo diário generalista dirigido pelo ex-director do Diário Económico, Martim Avillez Figueiredo.

Segundo adiantou o mesmo ao M&P, depois das três fases de selecção, que começaram no início de Novembro e contaram com cerca de 1200 candidatos, decorreram durante esta semana as entrevistas aos 50 candidatos pré-seleccionados.

Destes, cerca de 25 serão escolhidos para fazer formação durante a próxima semana. Do total, serão entre 10 e 15 os candidatos a jornalistas a integrarem o novo projecto.

Com o estatuto de jornalistas estagiários, terão um contrato de trabalho cujos moldes não foram adiantados pela direcção.

Recorde-se que as contratações para o novo diário já estão a decorrer desde Setembro.

Mónica Belo, ex-coordenadora de reportagem do Diário Económico (DE), Sílvia Oliveira, antiga subdirectora do mesmo título, e Miguel Pacheco, ex-director executivo do DE, são os nomes que, em conjunto com Francisco Camacho, antigo editor-executivo da Sábado, e André Macedo, ex-director do Diário Económico, já são conhecidos como integrantes da equipa directiva do novo projecto que deverá arrancar no início do próximo ano.
publicado por Marco Freitas às 17:42

RTP.jpg

O Sindicato dos Jornalistas (SJ) convocou para 10 de Dezembro - data em que se assinala o 60.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem - uma vigília de apoio à jornalista Maria João Barros, trabalhadora da RTP na delegação de Viseu, a quem desde finais de Agosto não são atribuidas quaisquer tarefas profissionais.

Segundo o comunicado do SJ divulgado hoje, 5 de Dezembro, a situação que se vive na delegação de Viseu da RTP indicia a tentativa de levar a jornalista a "romper a sua relação de trabalho" com a empresa, e alimenta legítimas suspeitas de que "a jornalista Maria João Barros está a ser alvo de retaliação por parte da empresa pelo facto de ser dirigente sindical".

É o seguinte, na íntegra, o comunicado do SJ:

Vigília de apoio à jornalista Maria João Barros

Face ao agravamento da situação existente na Delegação de Viseu da RTP e à incompreensível complacência da Direcção de Informação e do Conselho de Administração, não obstante as inúmeras diligências realizadas pela jornalista Maria João Barros e pelo Sindicato dos Jornalistas, a Direcção SJ convoca para quarta-feira, dia 10 de Dezembro - data em que se assinala o 60.º aniversário da Declaração Universal dos Direitos do Homem - a partir das 18 horas, junto da delegação de Viseu da RTP, uma vigília de solidariedade pelos seguintes motivos:

1. Desde 28 de Agosto que a jornalista Maria João Barros, ao serviço da RTP na sua delegação de Viseu e membro da Direcção do SJ com responsabilidades no âmbito da negociação colectiva, se encontra desocupada, pois não lhe são atribuídas quaisquer tarefas profissionais.

2. A jornalista comparece regularmente no seu local de trabalho e informa a sua hierarquia sobre os eventos susceptíveis de tratamento jornalístico.

3. No entanto, a DI da RTP tem destacado sistematicamente equipas da delegação de Coimbra, mantendo a jornalista desocupada, o que representa uma humilhação inaceitável e uma afronta ao seu profissionalismo.

4. A incompreensível decisão de manter a jornalista desocupada ganhou contornos mais graves agora, que a RTP passou a destacar para os serviços apenas o repórter de imagem estagiário colocado na mesma delegação.

5. Os factos descritos são o corolário de uma sucessão de ocorrências de natureza disciplinar e criminal que a jornalista oportunamente participou à sua estrutura hierárquica e fundamentaram a apresentação de uma queixa-crime.

6. Com efeito, a jornalista participou de vários actos praticados contra si pelo repórter de imagem estagiário colocado na delegação, inclusivamente ameaças à sua integridade física, agressão e captação ilícita de imagens da sua pessoa.

7. A forma como a DI e o próprio Conselho de Administração da Empresa têm tratado este assunto indicia uma intenção de beneficiar o infractor e de afectar a dignidade da jornalista e de lhe criar um ambiente humilhante e desestabilizador que a levem a romper a sua relação de trabalho com a RTP.

8. A manter-se a situação descrita, tornam-se também legítimas as suspeitas de que a jornalista Maria João Barros está a ser alvo de retaliação por parte da empresa pelo facto de ser dirigente sindical e nessa condição intervir com persistência e denodo em defesa dos legítimos interesses dos jornalistas da RTP.

9. O SJ espera que os factos sejam rapidamente apurados em sede própria e exige que seja imediatamente garantido à jornalista o seu direito à ocupação efectiva.

10. O SJ apela à solidariedade de todos os jornalistas, em particular os seus camaradas ao serviço na RTP e na região de Viseu, para que transmitam o seu apoio à jornalista Maria João Barros e expressem o mais vivo repúdio pela situação inaceitável em que foi colocada e para que se juntem à vigília que a Direcção do SJ promove junto da delegação de Viseu da RTP no próximo dia 10 de Dezembro, a partir das 18 horas.

11. Por outro lado, o SJ manifesta a sua grande preocupação pela forma como a DI aceita displicentemente que a cobertura informativa feita pelo serviço público de televisão seja assegurada individualmente por um trabalhador que só pode exercer o jornalismo de forma tutelada.

12. Nesse sentido, o SJ apela igualmente às forças políticas e sociais, às autarquias e às instituições da região, para que expressem a sua preocupação pela degradação deliberada das condições de cobertura jornalística na área da delegação de Viseu.

Lisboa, 5 de Dezembro de 2008

A Direcção
publicado por Marco Freitas às 17:40

FNSI.jpg

Os jornalistas do diário italiano “Corriere di Livorno” estão a cumprir uma greve de dez dias, convocada de urgência à meia-noite de 4 de Dezembro, como resposta às acções da empresa Adriano Sisto Editore, detentora do título, contra os direitos dos seus trabalhadores.

Entre os motivos indicados pelos trabalhadores do “Corriere di Livorno” estão a marginalização constante dos trabalhadores do processo de tomada de decisão da empresa e a intromissão nas actividades sindicais do plenário realizado na tarde de ontem, com o pedido a um redactor para relatar à administração o conteúdo da discussão.

Os trabalhadores questionam ainda a falta de informações sobre os planos e estratégias da empresa para o futuro do jornal, bem como a incerteza, a precariedade e o clima de tensão que a administração gera na redacção “com o único objectivo de dividir o grupo de trabalho que, com sacrifício e profissionalismo, construiu um jornal que rapidamente se assumiu como uma voz significativa para o pluralismo da informação em Livorno”.

A redacção exige ainda o respeito pelos horários de trabalho, pelas férias e pelas horas extraordinárias, como previsto no contrato colectivo nacional da classe, e pela independência jornalística, denunciando tentativas de intervenção do principal accionista para uma cobertura favorável a outra empresa que detém.
publicado por Marco Freitas às 17:36

Dezembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

14
15
18
20

21
22
24
25
26
27

29
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO