Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

19
Jun 07
O X Governo Regional da RAM tomou posse hoje... Pequenas tricas políticas à parte, como a ausência de um deputado ou a presença impercetível de um Secretário de Estado, o que importa sublinhar é a percepção que viaja do partido do Governo aos da oposição de que a Madeira precisa de uma nova estratégia de desenvolvimento para poder enfrentar os desafios que se adivinham...
Do nosso ponto de vista isto significa uma postura pró-activa, dinâmica e construtiva.
A Madeira precisa de dar mais um “salto de rã”, para usar uma expressão de Braga de Macedo numa conferência sobre o desenvolvimento regional que decorreu no Funchal há alguns anos e que, aparentemente, pasou despercebida a muitos madeirenses, particularmente àqueles que se consideram atentos a tudo o que se passa na Região ou aos outros que se arvoram em sabedores de muitas sabedorias.
Para dar esse salto precisa de ter condições de sustentação para sustentar o impulso... Serã possível criar e desenvolver uma nova estratégia de desenvolvimento adoptando o conceito de “ruptura na evolução”?... Ou será necessário romper radicalmente com a forma de pensar o futuro da Madeira até agora?

Em consciência, todos queremos uma Madeira melhor. Muito provavelmente construímos ideias para o seu futuro segundo perspectivas muito pessoais ou sob o chapéu de alguma influência de grupo...Mas, todos queremos esse melhor futuro para a Região... Acredito nesta bondade de muitos madeirenses e encontro aqui um ponto comum digno de registo e de devida exploração política.
Outro ponto comum verificável na res publica é a certeza de que precisamos de maior autonomia, seja ela política, financeira ou económica...
A aposta nas obras públicas de vulto é um filão em vias de extinção – outro ponto em que muitos concordam...

Portanto, o que nos resta é analisar o que deve ser transportado para o novo modelo de desenvolvimento e melhorado e perceber onde é que a Madeira precisa de inovar.

Pessoalmente, depois de definida entre nós os madeirenses a estratégia que pretendemos – e note-se que não há muito por inventar -, começaria por explicar ao Continente, em moldes de campanha de imagem e de lobby, o que queremos. E começaria já pela ideia de unidade diferenciada. Uma expressão que surgiu precisamente na sequência da conferência mencionada.

Precisamos de um caminho, de vozes críticas e construtivas, e de uma vontade global...Para isso, é importante que os jornalistas da Região - classe que pode desempenhar um papel primordial no futuro da Madeira e ficar histórica e definitivamente associada a esse esforço de responsabilidade social - , assumam e promovam com realismo o debate sobre a estratégia de desenvolvimento para a Madeira... Em suma, que vivam o papel de influenciadores que desempenham diariamente na sua profissão para ajudar a construir uma Madeira melhor....

As divergências e diferenças são esperadas, e até desejadas, desde que não sejam lanças envenenadas para queimar por dentro a vontade e o esforço daqueles que querem realmente uma Madeira melhor.

*astrisco*
publicado por Marco Freitas às 23:43

Junho 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO