Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

11
Out 11

A crise trouxe para cima da mesa temas estruturantes sobre o sistema organizacional da sociedade e a alteração dos modelos instituídos. As medidas sérias que os tempos exigem implicam uma mudança cultural que poucos alcançam e ainda muitos menos conseguem aceitar e cumprir.
Foram apresentadas muitas razões para a crise. Os problemas foram identificados mas as soluções mostram-se frágeis. Porquê? Porque os níveis de transparência sobre o filme da crise equivalem à gestão oscilante e lamacenta da mesma. Porque a admissão dos erros foi parcial.

Por isso, concordo com os que insistem na criação de mecanismos que reforcem a transparência em todos os sectores de actividade. Sem transparência, os erros cometem-se impunemente e um sistema corroído sobrevive.

O problema é transversal e não deve ser sujeito a segmentação. Contudo, temos conterrâneos a afiançar que nós, os portugueses, nascemos com o ADN da fraude e que de nada vale o facto de Portugal estar bem colocado nos rankings internacionais da transparência, a opinião pública reconhecer melhor os processos de corrupção, que mil entidades públicas tenham entregue planos anticorrupção e a campanha lançada pelo Governo junto das empresas exportadoras para evitar práticas de corrupção nos mercados internacionais.

Sabemos que o sucesso dos negócios à escala internacional depende da credibilidade das economias e que a simples ideia de que uma nação, região, entidade pública ou privada é pouco transparente mina fatalmente a confiança dos investidores. Logo, há que limpar alguns dos trilhos percorridos. 
A meu ver, o que seria uma pré-medida correctora e de elementar transparência era aceitar que o enfoque negativo e desmesurado sobre o tema é uma abordagem que falseia a realidade, induz em erro e gera preconceitos imutáveis. A transparência é para todos e exige coerência. Também a quem a promove ou divulga.

 

Artigo publicado no Diário de Notícias da Madeira, no dia 2 de Outubro de 2011

publicado por Marco Freitas às 11:33

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.


Outubro 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
12
13
14
15

16
17
18
19
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO