Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

26
Nov 08
LCB5CAUMUGZ5CAY9H1TLCAX0PXQRCAGQS81DCAZL0Z8RCAAYF08BCAHW0X8RCATJBFNCCA7DF78NCANYHA49CANHTG5MCA1DIQ0RCAFPYX0XCAY6BXI4CA0519BDCA5DZPOACAQCGQ0FCA83FD9O.jpg

A Federação Europeia de Jornalistas (FEJ) expressou grande preocupação com “as proporções alarmantes” das escutas a jornalistas e sindicalistas levadas a cabo pela Telekom alemã, considerando “inaceitável que a empresa possa usar indevidamente a retenção de dados para violar a protecção das fontes e a liberdade de imprensa”.

Para o presidente da organização, Arne König, “esta é a confirmação de que as regras de retenção de dados europeias têm sido usadas indevidamente em muitos estados-membros e que os jornalistas de toda a Europa enfrentam novas batalhas para proteger as suas fontes de informação”.

O caso da Telekom criou grandes incertezas na sociedade civil alemã e mereceu críticas dos sindicatos de jornalistas dju in ver.di e DJV, que exigiram uma remodelação total das regras de retenção de dados e uma garantia total contra a utilização indevida de todos os dados obtidos desde Janeiro.

“Infelizmente, nenhum jornalista na Europa pode ter a certeza de que o seu trabalho não está sujeito a vigilância oficial, de que os seus telefones não estão sob escuta e de que podem, com confiança, proteger as suas fontes”, afirmou Arne König, revelando estar atento a desenvolvimentos de casos similares em Itália, Suécia e Reino Unido com vista a levar a situação perante o Tribunal Europeu dos Direitos Humanos.
publicado por Marco Freitas às 17:53

Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
14
15

16
22

23
25
29



Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador de Visitas
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO