Comunicar pode ser fácil... Se no tempo que a vida nos permite procurarmos transmitir o essencial, desvalorizar o acessório e contribuir, num segundo que seja, para que a mensagem se assuma como tal e não como um universo de segredos...

02
Jun 12

 

 

 

Eu tive alguma dificuldade em escolher o tema para hoje. Na calha estiveram matérias como o impacto da informação e o papel dos jornalistas na crise; a ideia de fracasso de uma ilha apesar das condições do desenvolvimento registado; a Madeira e seus protagonistas como objecto mediático contínuo; a energia negativa que emana da crise e que gera movimentos de revolta que uns tentam negar, outros promover ou ignorar.

 

Optei por “filosofar” sobre alguns dos sintomas que emergem da crise na Região.

 

A altura não é para meias medidas pois enfrentamos a escolha da dependência permanente ou o caminho da procura da auto-sustentabilidade. Mas, o momento da escolha é normalmente acompanhado de alguma tensão. Corresponde, por vezes, à vontade de emancipação, a guerras de gerações. As escolhas trazem consequências e responsabilidades.

 

O caminho por motu próprio, o único aceitável, implica a capacidade de enfrentar uma fase dura de dificuldades e a tentação de recuar. O recuo é assumpção da nossa ineficiência como sociedade e cultura.

Para tal é necessário uma forte unidade interna, ao contrário do que acontece neste momento, muito marcado pela vontade de ajustes de contas, pelo espezinhar dos que ajudaram a construir a terra capaz que hoje temos, pela procura de poder que ignora a história.

 

Como é sabido, nos tempos de crise cruzam-se duas vias: a das oportunidades e a dos oportunismos. Estas, são encarnadas por diferentes tipos de personalidade. A primeira está associada a  quem procura melhorar o que está mal e a segunda a quem quer aproveitar os despojos de ocasião.

 

Querer contribuir activamente para um novo “salto de rã” é diferente de fazer parte de uma estratégia para assumir a gestão política, económica e social de uma região, menosprezando quem os ajudou a crescer. Chama-se a isso oportunismo e a história registará o papel dos golpistas.

 

*publicado no Diário de Notícias da Madeira, 2 de Junho de 2012

publicado por Marco Freitas às 08:13

Junho 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Contador de Visitas
Sobre mim e autores
pesquisar
 
links
blogs SAPO